QUERO-QUERO

NOME POPULAR: Quero-quero
NOME EM INGLÊS: Southern Lapwing
NOME CIENTÍFICO: Vanellus chilensis (Molina, 1782)
FAMÍLIA: Charadriidae (Leach, 1820)

Fotografia: Rafael Leme de Almeida (2012)

CARACTERÍSTICAS: O quero-quero é inconfundível. Longa crista rala. Bico rosa-choque com ponta preta. Cabeça e pescoço cinzentos, com mancha branca na face e linha preta na testa ao meio do papo; peito preto. Pardo escuro por cima, com escapulares bronze e verde e esporão rosa no ombro; rabadilha branca e cauda preta; pernas rosadas. Em voo, apresenta vistoso padrão preto, branco e cinza; asas largas e arredondadas, faixa branca por cima, por baixo contraste entre coberteiras brancas e penas de voo pretas. Em par, trios ou pequenos grupos barulhentos; às vezes ativo à noite. A vocalização da espécie é um “quéru-quéru-quéru…” estridente, dado à menor perturbação, podendo ser bem irritante.

TAMANHO: 33-35 cm

HABITAT: Comum, de ocorrência ampla em áreas abertas, como pastos e plantações; frequenta o entorno de casas.

ALIMENTAÇÃO: Insetos e outros artrópodes capturados no solo.

REPRODUÇÃO: Folhas secas, geralmente de gramíneas, são depositadas numa rara depressão no solo e em local seco. Os 2 a 4 ovos, pardo-amarelados e verdes com desenhos pretos, camuflam-se com o substrato. Os ovos medem 45 x 33 mm e são incubados principalmente pela fêmea. Quando nascem os filhotes, nidífugos, a fêmea alimenta-os durante alguns dias e o macho ocasionalmente o faz. Durante a incubação e cuidado com os filhotes o macho torna-se agressivo, executando voos rasantes sobre o intruso que se aproxima. Nesta espécie pode ocorrer poliginia, quando um macho reúne 2 fêmeas que põem seus ovos num mesmo ninho.

STATUS NO CAMPUS:

Anúncios
Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

CAMBACICA

NOME POPULAR: Cambacica
NOME EM INGLÊS: Bananaquit
NOME CIENTÍFICO: Coereba flaveola (Linnaeus, 1758)
FAMÍLIA: Coerebidae (d’ Orbigny & Lafresnaye, 1838)

Fotografia: Cauê Rosetto Reis (2011)

CARACTERÍSTICAS: Bico fino, curto e curvo, bem característico, às vezes róseo na base. Quase preta por cima, com longa sobrancelha branca, manchinha branca na asa e rabadilha amarela; amarela por baixo, contrastando com garganta cinza. Irrequieta e ativa, a cambacica é fácil de se ver, percorrendo a folhagem a qualquer altura, muitas vezes em locais bem expostos. O canto é curto, muito frequente, com uma sequência rápida e variada de notas agudas e chiadas.

TAMANHO: 10,5 cm

HABITAT: Razoavelmente comum, de ocorrência ampla em áreas abertas com árvores, sedes de fazendas e cidades. Adapta-se facilmente em ambientes urbanos.

ALIMENTAÇÃO: Alimenta-se de néctar de flores e também de pequenos frutos e bichinhos. Costuma visitar bebedouros de beija-flores e pode aparecer em comedouros com frutas.

REPRODUÇÃO:  O casal constroem 2 tipos de ninhos, um para criar a prole e outro para descanso e pernoite. O primeiro é esférico, de parede grossa e compacta, feito com palhas, folhas, capins e teias de aranhas; a câmara incubatória localiza-se no centro, com a entrada às vezes protegida por palha. O segundo tipo é menor, mais achatado e de parede frouxa. Os 3 ovos são branco-esverdeados com linhas e pontos pardo-amarelados e uma coroa de manchas azul-cinzentas. A incubação é feita exclusivamente pela fêmea.

STATUS NO CAMPUS: ●●●●

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

POMBÃO

NOME POPULAR: Pombão
NOME EM INGLÊS: Picazuro Pigeon
NOME CIENTÍFICO: Patagioenas picazuro (Temminck, 1813)
FAMÍLIA: Columbidae (Leach, 1820)

Fotografia: Rafael Leme de Almeida (2011)

CARACTERÍSTICAS: Olho laranja-avermelhado. Cor geral cinza-vinácea, nuca e dorso superior com fino escamado branco bem visível, barriga mais cinzenta; asa mais escura, com faixa branca bem visível, sobretudo em vôo; cauda cinza-azulada, mais escura na metade terminal.  Muito gregária, o pombão pode percorrer longas distâncias entre os locais de pernoite e de alimentação, voando alto, com batidas de asa rápidas e decididas. Alimenta-se em geral no chão, sendo comum em pastos e plantações; pousa e aninha em árvores. A voz é um “hu-uu, hu-hu-huu, hu-hu-huu” lento, que começa com uma longa nota arrastada, característica, e que pode ser intercalado com arrulhos graves (dados também sozinhos).

TAMANHO: 36 cm

HABITAT: Ocorrência em áreas abertas, capoeiras, sedes de fazenda e cidades.

ALIMENTAÇÃO: Sementes e pequenos frutos coletados no solo.

REPRODUÇÃO: Em árvores e a cerca de 3 m do solo, constroem um ninho achatado com gravetos frouxamente entrelaçados. O único ovo, branco, com 35-40 x 25-28 mm, é incubado pelo casal que também se ocupa da criação do filhote.

STATUS NO CAMPUS:

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

POMBO-DOMÉSTICO

NOME POPULAR: Pombo-doméstico
NOME EM INGLÊS: Rock Pigeon
NOME CIENTÍFICO: Columba lívia (Gmelin, 1789)
FAMÍLIA: Columbidae (Leach, 1820)

Fotografia: Rafael Leme de Almeida (2011)

CARACTERÍSTICAS: Cabeça pequena e redonda, bico fraco, na base coberto pela ‘’cera’’ a qual é intumescida no pombo. Corpo pesado, plumagem cheia e macia. Hálux bem desenvolvido.

TAMANHO: 38 cm

HABITAT: Encontrada em todo o Brasil, sendo comum em grandes centros urbanos.

ALIMENTAÇÃO: É granívora e frugívora. Com o bico, costuma revirar folhas secas em busca de alimentos.

REPRODUÇÃO: Constroem seus ninhos em locais protegidos contra chuvas e ventos fortes, tais como vigas de telhados, parapeitos de janelas e galpões. O casal incuba os 2 ovos brancos, durante 17 ou 18 dias e alimenta os filhotes com o “leite-do-papo”, como os demais columbídeos. Á medida que o filhote cresce, sementes e outros alimentos são adicionados à dieta. Durante o ano, efetuam várias posturas. Durante o cortejo, o macho faz reverências diante da fêmea.

STATUS NO CAMPUS: ●●●

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

ROLINHA-ROXA

NOME POPULAR: Rolinha-roxa
NOME EM INGLÊS: Ruddy Ground-Dove
NOME CIENTÍFICO: Columbina talpacoti (Temminck, 1811)
FAMÍLIA: Columbidae (Leach, 1820)

Fotografia: Rafael Leme de Almeida (2011)

CARACTERÍSTICAS: Macho inconfundível, cinza-rosado, mais claro na face e garganta; coroa cinza-azulada. Asa com algumas manchas pretas, primárias ferrugíneas (visíveis em vôo), coberteiras inferiores da asa pretas; cauda ferrugínea com cantos pretos, visíveis em vôo. Fêmea mais apagada: marrom-clara por cima, parda por baixo. Vive em casal ou em grupinhos, formando bandos maiores fora da época de cria. Alimenta-se enquanto caminha pelo chão e grandes números visitam comedouros com sementes e milho quebrado. Mansa; bate as asas com estrépito ao fugir voando e, em geral, pousa perto. O canto é um “u-hu, u-hu, u-hu…” repetido e monótono.

TAMANHO: 17 cm

HABITAT: Abundante, de ocorrência ampla em áreas abertas com árvores, incluindo pastos; ocorre em cidades e perto de casas.

ALIMENTAÇÃO: Sementes e pequenos frutos coletados no solo.

REPRODUÇÃO: O ninho, compacto e mais fundo do que os dos demais columbídeos, é feito com pequenos galhos entrelaçados, em árvores ou arbustos a pouca altura do solo. Dois ovos brancos e alongados, com 23 x 18 mm, são incubados pelo casal durante 11 a 13 dias e o jovem deixa o ninho aos 12 dias de vida. O casal tem 3 ou 4 posturas por ano, podendo ou não reutilizar o ninho.

STATUS NO CAMPUS: ●●●

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

ALMA-DE-GATO

NOME POPULAR: Alma-de-gato
NOME EM INGLÊS: Squirrel Cuckoo
NOME CIENTÍFICO: Piaya cayana (Linnaeus, 1766)
FAMÍLIA: Cuculidae (Leach, 1820)

Fotografia: Marcelo Jordani Feliti (2011)

CARACTERÍSTICAS: Grande, esguia, com cauda muito longa, graduada. Bico esverdeado; olho e anel ocular vermelhos. Por cima, castanho-ferrugíneo uniforme intenso. Garganta e papo cor-de-canela, contrastando com peito e barriga cinzentos, baixo ventre e crisso pretos. Preto sob a cauda, com grandes manchas brancas nas pontas das penas. Sozinho ou em casal, o alma-de-gato move-se entre a folhagem e salta de galho em galho, às vezes com a agilidade de um esquilo (ou de um gato, daí o nome popular). Não é difícil de ver. Voa pouco, mas às vezes cruza áreas abertas entre uma árvore e outra, intercalando planeios com algumas batidas de asa. Vocaliza com frequência. Dá uma série de notas ‘’uit !’’ potentes e penetrantes, que pode repetir por um bom tempo, a partir de um poleiro oculto. Tem vários chamados, entre eles um ‘’tchic ! kuáá’’ abrupto e forte, e um ‘’resmungo’’ anasalado.

TAMANHO: 40,5-46 cm

HABITAT: De ocorrência ampla em mata, capoeira, pomares e na arborização urbana.

ALIMENTAÇÃO: Alimenta-se basicamente de insetos, principalmente lagartas, que captura ao examinar as folhas, inclusive em suas partes inferiores. Consome também frutinhas, ovos de outras aves, caçam lagartixas e pererecas.

REPRODUÇÃO: No início do período reprodutivo, canta incansavelmente durante o dia todo. O ninho, em forma de panela rasa, é construído com ramos frouxamente entrelaçados e situado em árvores não muito altas, recebendo, em geral, 6 ovos brancos de 33 x 27 mm. Existe, nestes ovos, uma crosta calcária de cor branco-suja. O casal é responsável pela incubação, durante cerca de 14 dias e, posteriormente, pelo cuidado com a prole. Os filhotes permanecem no ninho aproximadamente 7 dias; durante as duas semanas seguintes movimentam-se por entre os galhos até que possam alçar voo.

STATUS NO CAMPUS:

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

ANU-BRANCO

NOME POPULAR: Anu-branco
NOME EM INGLÊS: Guira Cuckoo
NOME CIENTÍFICO: Guira guira (Gmelin, 1788)
FAMÍLIA: Cuculidae (Leach, 1820)

Fotografia: Cauê Rosetto Reis (2011)

CARACTERÍSTICAS: Por cima, marrom-escuro estriado de branco, cabeça parda, olho e bico amarelos ou laranja, crista despenteada, arruivada; baixo dorso e rabadilha brancos. Branco-sujo por baixo, lados do pescoço com estrias marrons esparsas, cauda longa, preta com base e ponta brancas. Inconfundível, o anu-branco é uma das aves mais vistas em áreas alteradas; pousa na fiação elétrica e em cercas. Vive em bandos em geral com até dez aves (mas podem chegar a 15-20). No frio, as aves do bando se aconchegam umas às outras; também pernoitam todas juntas. Alimenta-se no chão, em bando, num comportamento semelhante ao do anu-preto (Crotophaga ani), cujos ninhos pode parasitar; há casos em que incubam juntos os ovos. Muito ruidosos, têm vários chamados, entre eles uma série descendente, forte e penetrante, mais assobiada no começo e trêmula no final, “cri-ier, cri-ier, cri-ier, cri-ier, criir, criir”, e um matraqueado agudo e prolongado, em geral dado em vôo.

TAMANHO: 36-40 cm

HABITAT: De ocorrência em cerrado, pasto, plantações, sedes de fazendas e no entorno de cidades.

ALIMENTAÇÃO: Artrópodes e pequenos vertebrados.

REPRODUÇÃO: O ninho, semelhante ao do anu-preto (Crotophaga ani), situa-se geralmente na forquilha de uma árvore e a cerca de 5 m do solo. Os 5 a 7 ovos verde-marinhos, revestidos de uma rede calcária branca e em alto relevo, são postos em ninhos individuais ou comunitários; no último caso o número de ovos pode chegar a 20. O peso de um ovo representa 17% a 25% do peso da fêmea. É comum encontrar ovos quebrados no solo, sob os ninhos comunitários, devido à ocupação do mesmo por várias fêmeas. Além disso, como há forte competição por alimento entre os numerosos filhotes, poucos sobrevivem.

STATUS NO CAMPUS:

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário